<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=184990051839905&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
Linha Sommelier

O guia completo sobre os vinhos da África do Sul

Você sabia que a África do Sul está entre as dez maiores regiões produtoras de vinhos do mundo? E não é à toa, afinal, os vinhedos cultivados por lá dão origem a rótulos incríveis que mesclam a intensidade do Novo Mundo e a elegância da Europa. Ficou curioso? Este guia é para você que deseja conhecer os vinhos da África do Sul e desvendar os seus mistérios. Acompanhe!

História

História

Com uma história que remete ao século XVII, a época da Companhia das Índias Orientais, a produção de vinhos na África do Sul teve início com a chegada dos colonizadores holandeses e recebeu um grande impulso com a imigração de franceses à região do Cape Town.

Apesar da bebida ser produzida por lá há um bom tempo, a África do Sul só entrou na rota de exportação depois que o Apartheid chegou ao fim, em 1994. De lá para cá, a vinicultura vem se fortalecendo e conquistando admiradores no mundo todo.

Conhecido por seus vinhos encorpados, brancos frutados e conhaques, o país é o sétimo maior produtor de vinhos do mundo e o sexto maior exportador. Hoje, são mais de 340 vinícolas e 4.200 produtores em atividade no país.

Emblemática Pinotage

Emblemática Pinotage

O clima temperado da África do Sul favorece o cultivo de inúmeras variedades de uvas, mas certamente a Pinotage é uma das mais relevantes.


A casta foi criada em 1925 por Abraham Izak Perold, professor da University Stellenbosch, por meio do cruzamento genético entre as uvas Pinot Noir e Cinsaut (Hermitage). O resultado é um vinho elegante, intenso, com corpo moderado e textura macia e aveludada.

Outras variedades de uvas também são encontradas nos vinhedos sul-africanos, como as Cabernet Sauvignon, Syrah e Merlot – castas francesas que se adaptaram muito bem ao clima e solo do país e produzem grandes tintos, de sabor e estirpe! Os brancos não ficam atrás, com destaques para as uvas Chenin Blanc, Sauvignon Blanc e Chardonnay.

Regiões vinícolas

Regiões vinícolas

As vinícolas mais famosas da África do Sul estão concentradas nas cidades Stellenbosch, Franchhoek e Paarl – todas muito próximas de Cape Town. Confira algumas delas:

The House of JC Le Roux – Localizada em Stellenbosch, foi fundada em 1704 pelo francês Jean Le Roux, um viticultor da Normandia. É a primeira vinícola dedicada à produção de espumantes na África do Sul.

Bergkelder/Fleur Du Cap – Também localizada em Stellenbosch, possui a primeira adega subterrânea construída no Hemisfério Sul. O destaque da adega fica por conta da harmonização de vinhos com diferentes tipos de sais.

Nederburg – Fundada em 1791 e localizada na região de Paarl, é a vinícola mais premiada da África do Sul. Nela, os visitantes podem conhecer o museu, a casa principal, os vinhedos e as montanhas Drakenstein.

Durbanville Hills – A cerca de 20 minutos de Cape Town, a vinícola tem uma vista fabulosa da Table Mountain. Um dos destaques é o Wine Safari na montanha.

Plaisir de Merle – Fundada no século XVII na cidade de Franchhoek, é uma das maiores vinícolas do país, com 974 hectares e uma diversidade de vinhos tintos, brancos e espumantes.

Seleção de vinhos

Seleção de vinhos

Agora que você se inteirou desses interessantes detalhes sobre os vinhos da África do Sul, que tal conferir uma seleção top de rótulos sul-africanos?

Out Of Africa Pinotage 2014 – African Terroir, Western Cape, África do Sul. Tinto 100% Pinotage, com estágio de quatro meses em carvalho francês. Apresenta aromas de ameixas acompanhados de notas florais, ervas e especiarias doces. Estruturado e suculento, tem gostosa acidez, taninos de ótima textura e final agradável, chamando atenção pela qualidade da fruta.

Glen Carlou Gravel Quarry Cabernet Sauvignon 2010 – Glen Carlou, Paarl, África do Sul. Tinto 100% Cabernet Sauvignon, com estágio de 18 meses em barricas novas de carvalho francês. Possui exuberantes aromas de ameixas e cassis envoltos por notas florais, de folha de tabaco e alcaçuz. Com estilo mais maduro e potente, boa acidez e taninos finos de ótima textura, que trazem equilíbrio ao vinho.

Glen Carlou Quartz Stone Chardonnay 2013 – Glen Carlou, Paarl, África do Sul. Branco 100% Chardonnay fermentado com leveduras indígenas em barricas de carvalho francês (90%) e em ovo de concreto (10%), com posterior estágio de 11 meses nos mesmos recipientes. Com estilo mais potente, de frutas tropicais maduras seguidas de notas florais, manteiga e especiarias doces, mas bem equilibrado por refrescante acidez que levanta todo o conjunto. Tem bom volume, textura cremosa e final persistente e cheio, com toques de camomila e abacaxi em calda.

Kleine Rust Chenin Blanc Sauvignon Blanc 2015 – Stellenrust, Stellenbosch, África do Sul. Branco composto de 83% Chenin Blanc e 17% Sauvignon Blanc, sem passagem por madeira. Esbanja tensão, frescor e ótima textura, mostrando sedutores aromas de frutas tropicais e cítricas envoltas por notas florais, minerais e ervas frescas. Tem bom volume, acidez vibrante e final agradável, com toques salinos e de lima.

Pronto para se render aos encantos dos vinhos sul-africanos? Aproveite também para saber tudo sobre os vinhos franceses e, assim, se infiltrar ainda mais neste surpreendente mundo de Baco!

Aliás, você já teve a oportunidade de degustar um vinho da África do Sul? Conta para gente aqui nos comentários como foi a experiência!

Escrito por Bruno Hermenegildo

Bruno Hermenegildo é Sommelier International, formado pela FISAR (Federazione Italiana de Sommeliers), outorgado com o grau de Wine Master nas regiões do Piemonte e Toscana (Itália), graduado como Advanced pela Wine&Spirits (Londres) e também graduado em Gastronomia. Bruno é membro da Confraria dos Sommeliers de São Paulo, a mais concorrida confraria profissional do Brasil.

Comprar Adega de Vinho: tudo o que você precisa saber
Comentários:
0