<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=184990051839905&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

Guardar vinhos na geladeira ou adega? Esclarecemos todas suas dúvidas!

Este artigo é dedicado a todas as pessoas que armazenam ou querem guardar seus rótulos fechados na geladeira. Nós vamos explorar mais a fundo as diferenças estruturais entre a geladeira e a adega e mostrar o que torna a adega climatizada a melhor opção para quem deseja degustar o melhor de cada taça de vinho. 

Sabemos que o hábito de armazenar vinhos na geladeira está muito ligado a sua facilidade, afinal é um eletrodoméstico presente em virtualmente todas as casas. Mas, o problema é que ela está longe de garantir aos vinhos - uma bebida excessivamente sensível - as condições perfeitas de armazenamento. 

Na geladeira, os rótulos não evoluem como deveriam e/ou são servidos em temperaturas indevidas. Como consequência, a experiência de degustação tão meticulosamente pensada pelos fabricantes é prejudicada. 

Conforme seu paladar e conhecimento sobre o mundo dos vinhos evolui, certamente você notará as diferenças de um vinho degustado no seu ápice e reconhecerá a importância de ter uma adega em casa.

Este reconhecimento pode levar algum tempo e depende de cada apreciadora e apreciador da bebida. Por isso, nós focaremos apenas nos fatores tangíveis e universais que destacam as diferenças gritantes entre a geladeira e a adega. Vamos explorá-los juntos? 

Temperatura, o principal agente

Indubitavelmente, a temperatura é o principal fator externo que altera as condições e evolução de um vinho. O calor ou frio excessivo, além das oscilações de temperatura, alteram completamente as características de um rótulo. O vinho pode expandir e evaporar ou se contrair e cristalizar, à medida que a temperatura de armazenamento fique longe da ideal. 

De forma geral, todos os tipos de vinho devem ser armazenados em temperaturas entre 14ºC e 17ºC. No entanto, eles também podem ser guardados em ambientes com a sua temperatura de serviço ideal. Para conhecer as temperaturas de serviço ideal para cada tipo de vinho, clique aqui

A grande problemática é que as geladeiras, como tem como primordial a conservação de alimentos, operam com temperaturas muito mais baixas daquelas recomendadas para os vinhos, chegando até 5ºC. 

Além disso, as oscilações de temperatura tendem a ser constantes, não só pelas aberturas incessantes da porta (que permitem a entrada do ar quente externo), como também por muitas vezes alimentos/recipientes quentes serem guardados no mesmo ambiente. 

Cuidado com a umidade

Outro vilão dos vinhos que você precisa conhecer é a umidade. A bebida é extremamente sensível a ambientes muito úmidos e também a muito secos, portanto, é preciso que o ambiente de armazenamento mantenha a umidade moderada e estável em torno dos 60ºC e 75ºC. 

A umidade em excesso aumenta os riscos de proliferação de fungos na bebida. Já ambientes de muito baixa umidade podem ressecar a rolha (o que pode tornar-se um grande problema). 

Além disso, há o comprometimento da estética de identificação dos vinhos. Nos locais excessivamente úmidos, os rótulos da garrafa podem mofar e apodrecer. 

Assim como a temperatura, a umidade também é oscilante nas geladeiras. Embora elas sejam projetadas para proporcionar um ambiente frio e seco para a conservação dos alimentos, tanto temperatura quanto umidade do refrigerador variam com o constante abrir e fechar das portas e também com o ponto do interior do refrigerador, o que o torna um ambiente pouco indicado para a conservação dos rótulos. 

CTA Padrão Adegas Ebook

Livre de odores

Como se os fatores acima não fossem suficientes para provar que a geladeira não deve ser usada para armazenar vinhos, ainda há a questão dos odores e sabores de vegetais, frutas e carnes presentes no ambiente.

Pequenos traços dos odores podem comprometer a experiência com os rótulos - especialmente se a rolha ressacar e permitir que eles penetrem profundamente na bebida. Como a adega é um ambiente exclusivo para guardar os vinhos, não há absolutamente nenhum risco de algo como isso acontecer. 

Se você quer que suas experiências com os vinhos sejam verdadeiramente boas, a única solução é investir em uma adega de vinhos. Há diversos modelos, projetados para atender todo amante de vinhos, seja um iniciante ou grande colecionador. 

Ficou com alguma dúvida sobre as diferenças entre adegas e vinhos? Deixe nos comentários.

Escrito por Rafaela Vidigal

Rafaela Vidigal, formada em administração, integra desde 2007 a equipe da Art des Caves. Atualmente vem descobrindo os encantos do marketing. Adora cantar no carro ­(mesmo cantando muito mal), ama comer, beber bons vinhos e dar boas risadas. Acredita que toda garrafa vazia está cheia de boas histórias!

Comentários:
0